“O lar de um homem deve ser a eternidade, a cada momento. Sem ela, ele se perde, esforçando-se para se agarrar a nuvens de fumaça. Um homem deve fazer o que for preciso para vislumbrar e guardar a imagem de suas futuras realizações e depois organizar sua vida para concretizá-las.

Faça de sua vida um processo contínuo de ser quem você é, em seu mais profundo e tranquilo nível de existência. Tudo além desse processo é secundário. Seu trabalho, seus filhos, sua esposa, suas criações artísticas, seus prazeres – todas essas coisas se tornam superficiais e vazias, caso não estejam flutuando no mar profundo de seu “amor” consciente. Por quanto tempo você foi capaz de manter sua atenção no reino das mudanças – em acontecimentos, pessoas, pensamentos e experiências – e quantas vezes você relaxou e este atento à sua fonte? Onde está sua atenção agora? Você consegue sentir de onde ela vem? Você conhece a fonte de sua atenção? Ainda que seja por um instante, você é capaz de sentir o que torna sua atenção desperta e consciente? É capaz de sentir sua natureza mais profunda? O que acontece quando você simplesmente permite que sua atenção se aquiete dentro de sua própria fonte?

Essa fonte nunca muda e está sempre presente. É o tom constante e silencioso por trás da música da vida, impregnando-a. Sinta essa fonte da maneira mais profunda que puder, e só então, reaproxime-se de seu trabalho, de sua intimidade, de sua família e de seus esforços criativos. Quando você ganhar dinheiro, que o dinheiro seja proveniente dessa fonte. Descubra o que acontece com detalhes de sua vida quando você vive mais focado na fonte de sua atenção.

Recorra a métodos que o ajudem a relaxar rumo a essa fonte e a criar a partir dela. Leia livros que façam você lembrar quem é de verdade. Passe algum tempo com pessoas inspiradoras, capazes de conectá-lo com essa fonte. Medite, contemple ou ore diariamente para que você possa se nutrir dela.

Se você for como a maioria dos homens, tem hábitos arraigados que mantêm sua atenção nos acontecimentos e tarefas cotidianas. O tempo vai passando, a vida vai escorrendo por entre os dedos, enquanto nossa atenção permanece absorvida pelo mundo aparente das responsabilidades. Tudo isso é vazio se não vivermos nossas responsabilidades como expressões da profundidade de nosso ser e da verdade do coração.

Conheça a eternidade. Faça o que for preciso. A partir dessa profundidade do ser, viva todos os detalhes de sua vida. Mas, ao adiar o processo de submersão nessa fonte para priorizar os negócios, sua vida será desperdiçada nas horas e dias de trabalho, e depois chegará ao fim. Você só conseguirá viver a vida com disposição se souber que cada tarefa é apenas uma miragem de necessidade, se estiver plenamente ciente daquilo que é maior que a própria vida.

Mesmo quando estiver realizando alguma atividade trivial, como, por exemplo, assistir à televisão ou limpar a bagunça na cozinha, sinta a verdade de quem você realmente é. Sinta essa percepção sem limites, em que cada instante surge e desaparecer. Todos os momentos têm a mesma clareza, plenitude e disposição quando você recebe cada um deles como sua realização mais profunda. Nada do que já aconteceu em sua vida modificou seu Eu verdadeiro.” David Deida

Comments

comments